jusbrasil.com.br
24 de Novembro de 2017

A verdade por trás do gênero

Por enquanto os ideólogos de gênero não falam em defender o incesto e a pedofilia. Concentram-se em exaltar o homossexualismo.

Evandro da Silva Santos, Assistente Administrativo
há 4 anos

A verdade por trs do gnero

A palavra “gênero”, segundo os ideólogos da ideologia de gênero, deve aos poucos substituir o uso corrente de palavra “sexo” e referir-se a um papel socialmente construído, não a uma realidade que tenha seu fundamento na biologia. Portanto, por serem papéis socialmente construídos, poderão ser criados gêneros em número ilimitado, e poderá haver inclusive gêneros associados à pedofilia ou ao incesto.

É o que diz, por exemplo, a feminista radical Shulamith Firestone (1945-2012) em seu livro A dialética do sexo (1970).

“O tabu do incesto hoje, é necessário somente para preservar a família; então, se nós nos desfizermos da família, iremos de fato desfazer-nos das repressões que moldam a sexualidade em formas específicas”.

Uma vez que a sexualidade seja determinada pelo "gênero" e não pela biologia, não haverá mais sentido em sustentar que a família é resultado da união estável entre um homem e uma mulher, que para a mesma autora, o fato de haver "homens" e "mulheres" é, por si só, inadmissível.

"Como a meta da revolução socialista foi não somente a eliminação do privilégio da classe econômica, mas a eliminação da própria classe econômica, assim a meta da revolução feminista deve ser não apenas a eliminação do privilégio masculino, mas a eliminação da própria distinção de sexo; as diferenças genitais entre seres humanos não importariam mais culturalmente".

A ideologia de “gênero” prega, em matéria sexual, a “liberdade” e a “igualdade”. A “liberdade”, porém, é entendida como o direito de praticar os atos mais terríveis e abomináveis. E a “igualdade” é vista como a massificação do ser humano, de modo a nivelar todas as diferenças naturais que existem entre o homem e a mulher.

Por motivos estratégicos, por enquanto os ideólogos de gênero não falam em defender o incesto e a pedofilia, que Firestone defende com tanta crueza. Concentram-se em exaltar o homossexualismo.

Não é necessário ser muito inteligente para sabemos que, nas diversas espécies, o sexo se caracteriza por três notas: a dualidade, a complementaridade e a fecundidade.

  • Dualidade: há animais assexuados, como a ameba, que não têm sexo. Os animais sexuados, porém, têm necessariamente dois sexos. Não há uma espécie em que esteja presente apenas o sexo masculino ou apenas o feminino.
  • Complementaridade: os dois sexos são complementares entre si. E isso não se refere apenas aos órgãos de acasalamento e às células germinativas (gametas) de cada sexo. A fisiologia e a psicologia masculinas encontram na fisiologia e psicologia femininas seu complemento natural e vice-versa.
  • Fecundidade: a união de dois indivíduos de sexo oposto é apta a produzir um novo indivíduo da mesma espécie.

Percebe-se que nada disso está presente na conjunção carnal entre dois homens ou entre duas mulheres.

A ideologia de gênero pretende obrigar a aceitar com naturalidade aquilo que é antinatural. Tal ideologia distingue o sexo, que é um dado biológico e natural, do gênero, que é uma mera construção social. Se as meninas brincam de boneca, não é porque tenham vocação natural à maternidade, mas por simples convenção social. Embora só as mulheres possam ficar grávidas e amamentar as crianças e embora o choro do recém-nascido estimule a produção do leite materno, a ideologia de gênero insiste em dizer que a função de cuidar de bebês foi arbitrariamente atribuída às mulheres. E mais: se as mulheres só se casam com homens e os homens só se casam com mulheres, isso não se deve a uma lei da natureza, mas a uma imposição da sociedade (a “heteronormatividade”). O papel (gênero) de mãe e esposa que a sociedade impôs à mulher pode ser “desconstruído” quando ela decide, por exemplo, fazer um aborto ou “casar-se” com outra mulher.

Nem todos compreendem a importância e a extensão do problema. Caso a ideologia de gênero seja implantada no Brasil, como já está sendo feito, isso significaria a permissão de toda perversão sexual (incluindo o incesto e a pedofilia), a incriminação de qualquer oposição ao homossexualismo (crime de “homofobia”), a perda do controle dos pais sobre a educação dos filhos, a extinção da família e a transformação da sociedade em uma massa informe, apta a ser dominada por regimes totalitários.

Saiba mais em:

http://www.votopelavida.com/agendagenero.pdf

10 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

O sr. Evandro pretende, com um texto pobre de referências e repleto de achismos, discutir a questão de gênero. Sugiro que o autor volte para reler importantes conceitos da Antropologia, da Psicologia e do Direito para compor uma discussão de nível que realmente se apresente como argumentos enraizados. continuar lendo

Olá amigo e obrigado pelo comentário. Deixo aqui alguns links que mostram um pequeno "resumo" do que está acontecendo no que se refere ao assunto "GÊNERO". Por favor, acesse, leia, estude, por fim, tire suas próprias conclusões.

http://www.votopelavida.com/agendagenero.pdf

https://padrepauloricardo.org/blog/urgente-congresso-pode-aprovaraideologia-de-genero-como-meta-da-educacao#05

http://www.anovaordemmundial.com/2011/05/cartilhas-do-kit-gayeo-material.html

http://www.anovaordemmundial.com/2011/04/video-indignacao-tres-filmes-do-kit-gay.html

http://pt.scribd.com/doc/56021420/KIT-GAY-CartilhaoCaderno-Das-Coisas-Importantes

http://pt.scribd.com/doc/71566208/Cartilha-Diversidade-sexual-na-escola

http://pt.scribd.com/doc/53102764/KIT-GAY

http://www.youtube.com/watch?v=-mY_eSqdrGA

http://www.citizengo.org/pt-pt/5312-ideologia-genero-na-educacao-nao-obrigado?sid=Mzk5Njg4MzkxNDI0NTY0 continuar lendo

Novamente o Sr. Evandro da Silva cita links e matérias que não primam pelo rigor acadêmico e pela boa discussão da questão, especialmente no âmbito do direito de família. O estado é laico, o direito também e questões religiosas não podem e não devem se misturar com a forma de organização estatal, porque dessa forma, estaria violando a própria CF, que determina a liberdade religiosa (que é também a ausência de religião se não sou crente). As matérias trazidas também ignoram toda a parte da psicologia e da psicanálise moderna que colocam a questão do gênero de uma forma totalmente diversa da pregada no artigo. continuar lendo

Na obra de Aldous Huxley - "O Admirável Mundo Novo", já se desponta uma sociedade onde não mais haverá a família, pois o processo de fecundação (sem a "nidação") se dará completamente artificial, e nesse enredo há o ÚTERO ARTIFICIAL, que a meu ver é o marco que poderá modificar totalmente a história da humanidade. Não haverá mais pai nem mãe, o mundo conhecido deixará de existir para o próprio ESTADO se arvorar a produzir e gerar "seres humanos", além de criá-los também.

O afeto de um homem pelo seu semelhante pode e deve haver (entre homens e mulheres, entre dois homens e entre duas mulheres), mas a substituição da família, é algo realmente muito sério. continuar lendo

No Brasil nem se falava em pedofilia. Depois começaram a popularizar a palavra pedófilo praticamente como sinônimo de padre e por ai foi transformando o pedófilo num maníaco estuprador, uma verdadeira histeria.
Se a elite global quisesse legitimar a pedofilia fariam como acontece com homossexualismo, que é apresentado todo dia pela grande mídia, pela ONU e grandes empresas, como algo "lindo e maravilhoso" .
Fizeram da "pedofilia" um espantalho para atacar instituições, a Igreja Católica foi fortemente abalada, pais sofrem falsas acusações de abusos sexuais direto, etc.
A histeria da pedofilia é inspirada pelo próprio Diabo.

https://fococristao.wordpress.com/2013/03/02/pedofilia/ continuar lendo